5 perguntas e respostas sobre startup enxuta

8 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Atualmente muito se fala sobre startup enxuta, também conhecida como lean startup. O fato é que, independentemente do ramo de atuação, as empresas estão sempre buscando obter mais resultados com menos recursos.

Sendo assim, uma operação enxuta ajuda a melhorar a rentabilidade, além de oferecer maior margem de manobra. Especialmente para uma startup, é vantajoso ter uma estrutura de custos menor e conseguir mudar de estratégia rapidamente.

De qualquer forma, é comum surgirem várias dúvidas em relação a lean startup. Então, preparamos este artigo para esclarecê-las. Veja, agora, 5 perguntas e respostas sobre startup enxuta!

1. O que é uma startup enxuta ou lean startup?

Para compreender o que é uma startup enxuta, o primeiro passo é analisarmos a definição de startup. Segundo o próprio Eric Ries, autor do livro A Startup Enxuta, “uma startup é uma instituição humana projetada para criar produtos e serviços sob condições de extrema incerteza.” Também podemos enxergar a startup como uma empresa que tem a inovação como base, utilizando um modelo de negócio replicável e escalável.

Já o termo startup enxuta ou lean startup pode se referir a duas coisas: à metodologia criada por Eric Ries, que ajuda empreendedores a economizar dinheiro e tempo; ou a uma empresa que segue os princípios da metodologia de Ries, operando dentro do modelo de startup com poucos recursos, buscando reduzir o desperdício.

O método lean startup é um conjunto de práticas para gerar mais resultados com menos recursos. Os pilares priorizam agilidade, custo reduzido e foco no cliente. Para tanto, as startups enxutas procuram testar e mensurar em vez de investir seu tempo em pesquisa e planejamento — já que as últimas consomem muito tempo e dinheiro, sem garantir o sucesso.

2. O que é esperado de uma statup enxuta?

Uma startup enxuta conta com diversas vantagens frente um negócio tradicional. As principais delas são.

Engajamento

Uma startup enxuta não está apegada ao produto ou serviço, mas sim à sua missão. Criar negócios com um objetivo claro gera muito mais identificação e engajamento junto ao público. Com isso, é possível mudar de direção quando necessário. Inclusive, isso nos leva ao próximo ponto.

Facilidade de mudança

Startups, em sua essência, já têm a capacidade de mudar rapidamente. No conceito de lean startup essa alteração no modelo de negócio é chamada de “pivotar”. Pivotar permite mudar de rumo parcialmente, mantendo o que está funcionando e ajustando o que não traz resultados. Em uma empresa enxuta, mudar a forma de operar é muito mais fácil e ágil.

Satisfação do cliente

No modelo de startup enxuta, os produtos são projetados com o auxílio do próprio cliente. Isso porque a organização testa hipóteses e colhe opiniões a todo momento. Então, é como se o consumidor criasse um produto para ele mesmo. Dessa forma, o “achismo” fica de fora e a satisfação do cliente é praticamente garantida.

Lucratividade

Startups podem crescer rapidamente porque adotam modelos escaláveis, podem crescer sem aumentar seus custos proporcionalmente, como acontece em um negócio tradicional. Em muitos casos é possível atender 1, 100 ou 100.000 clientes com a mesma estrutura, gerando muito mais lucro.

Baixo custo

Uma das premissas do modelo lean startup é manter o custo operacional baixo, o que traz muito mais segurança para a empresa, além de permitir ser mais ousada nos testes. Além disso, verbas menores forçam a equipe a ser criativa, desenvolvendo soluções inovadoras que talvez não aparecessem em outro contexto.

3. Quais são os princípios mais importantes?

No método de Eric Ries, toda atividade que não contribui para aprender sobre os clientes é considerada desperdício. Essa abordagem pode até parecer extrema, mas a verdade é que ela proporciona foco e aproveitamento dos recursos. Confira a seguir os cinco princípios de startup enxuta apresentados pelo autor.

Empreendedores estão por toda parte

Você não precisa ser um inventor, administrador ou alguém muito criativo para empreender. Basta estar disposto a aprender com o público e executar ideias.

Empreender é administrar

Mais do que criar produtos ou serviços, empreender é administrar uma instituição. Com isso, é fundamental se dedicar à gestão do negócio — ainda mais considerando que startups atuam em ambientes de incerteza. Ou seja, empreendedorismo e administração andam lado a lado.

Aprendizado validado

Um dos propósitos por trás da startup enxuta é o aprendizado. Mas não se engane: não estamos falando simplesmente de perceber lições importantes. O aprendizado, aqui, significa conduzir experimentos, observar os resultados desses testes e validar hipóteses.

Aliás, validar caminhos é uma das essências da lean startup. Quem vai dizer se o produto ou serviço é bom é o próprio cliente. A partir do feedback do público, você poderá fazer alterações até ter algo concreto para oferecer.

Construir, medir, aprender

Construir, medir e aprender é outra base utilizada por toda startup enxuta. Esses três passos garantem que os produtos ou serviços sejam sempre aprimorados e que o cliente fique realmente satisfeito. O processo funciona assim:

  • construir: nesta primeira etapa, o objetivo é transformar ideias em soluções que possam ser vendidas;
  • medir: na segunda, é preciso medir a reação dos clientes;
  • aprender: na terceira etapa, a empresa analisa as respostas para extrair aprendizados. Com isso, pode validar o que foi projetado ou decidir mudar de direção.

Segundo Eric Ries, tudo que é feito dentro de uma startup deve buscar acelerar o ciclo de construir, medir e aprender. Essa é a ideia central por trás do método de lean startup.

Contabilidade para inovação

Mais do que a contabilidade que envolve impostos, contador e livro-caixa, aqui o termo está se referindo à prestação de contas sobre os resultados (tem relação com “accountability”, em inglês). Dentro do método, é preciso encontrar maneiras de mensurar o progresso, definir metas e acompanhar os resultados.

4. Qual é a relação entre startup enxuta e estrutura de custos?

Para ser uma startup enxuta é necessário ter uma estrutura de custos também enxuta, certo? Isso se torna possível quando o negócio tem clareza do que deve ser feito (por exemplo, aprender sobre o cliente). Com isso, pode eliminar etapas e fluxos de trabalho que estejam sobrando.

Quando se corta uma parte do fluxo de trabalho, digamos, os processos tornam-se mais ágeis, baratos e produtivos. Mais do que isso, uma etapa só pode ser eliminada quando não está gerando valor para a empresa e os clientes. Logo, cortar etapas faz com que as entregas sejam mais valiosas para os envolvidos.

No entanto, ter um negócio enxuto nem sempre significa eliminações constantes de tarefas. Também é possível buscar alternativas como a terceirização. De todo modo, a mentalidade deve ser de evitar o desperdício de recursos, aplicando-os somente quando necessário.

5. Como ter uma estrutura de custos enxuta?

Como mencionamos, o principal ponto para ter uma estrutura de custos enxuta é manter em mente a ideia de eliminar tudo o que não for essencial. Ainda assim, existem algumas ideias extras que podem ser implementadas.

Centralizar as operações bancárias

Transferências e manutenções de contas geram tarifas, aumentando as despesas. Ao centralizar as operações em uma única conta, é possível reduzir o desperdício e negociar as taxas.

Optar por infraestrutura colaborativa

Hoje, o modelo de coworking tem feito sucesso entre as startups. Em vez de alugar uma sala comercial, você pode contratar espaços em um escritório compartilhado e abrir mão de pagar mobília, energia e internet. Além de economizar e evitar burocracia, isso permite fazer networking com outras empresas e aprender com os colegas.

Atuar com mobilidade

Quanto mais pessoas você tem em sua estrutura, maior é o número de equipamentos, deslocamentos e custos com reuniões. Com tantas atividades podendo ser feitas remotamente, estimular a mobilidade pode ser uma ótima ideia para economizar e ainda dar mais qualidade de vida para os colaboradores. Enquanto colaboradores-chave podem ficar alocados no coworking, o resto do time pode ser composto por freelancers, parceiros terceirizados e plataformas de automação.

Atualmente, cada vez mais empresas optam por trabalhar com operações menores. Afinal, o desperdício de recursos prejudica a todos, comprometendo a qualidade das soluções entregues. Portanto, para se preparar para esse contexto, é importante estudar os princípios de startup enxuta e aplicá-los na prática. Com isso, inevitavelmente, você terá um negócio mais rentável e bem-sucedido.

Por fim, se você gostou deste conteúdo, compartilhe nas redes sociais. Assim, outros amigos e colegas empreendedores também poderão aprender sobre lean startup!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-